Blog

Post

Luto: quando é necessário procurar apoio da psicoterapia?

Luto: quando é necessário procurar apoio da psicoterapia?

O processo do luto é inevitável diante da perda de uma pessoa querida. Tristeza profunda e a ansiedade perturbam por algum tempo até que esses sentimentos sejam atenuados naturalmente.

Embora não possamos determinar o tempo exato que uma pessoa permanece com os sintomas do luto, é saudável que a intensidade diminua dia após dia, caso contrário, é o momento de procurar apoio psicológico.

É muito comum confundir o luto com a depressão por possuírem características semelhantes.

Devemos lembrar que o luto é uma resposta emocional saudável diante de uma perda, no entanto pode se tornar um problema quando esse processo é conturbado por distorções cognitivas e falta de aceitação.

Qual a diferença entre o luto e a depressão?

O luto é uma resposta emocional a uma perda e o sentimento de vazio e tristeza farão parte do processo.

A princípio, é comum a pessoa não se mostrar disposta para as atividades sociais e passar por períodos de introspecção.


Leia também: Não confunda TOC com hábito: confira os sintomas e como o transtorno se manifesta


O que pode ocorrer é após o luto ser desencadeada a depressão subclínica, chamada assim por ser de difícil diagnóstico, visto que, a depressão é uma das fases do luto, que tende a passar assim que essa fase seja elaborada.

Nesse caso, se trata de disfunções do esquema cognitivo que já acompanhavam essa pessoa antes do período da perda, ou seja, já existia a pré-disposição para transtornos depressivos.

É muito importante procurar apoio da psicoterapia a fim de evitar que o quadro de depressão subclínica se desenvolva.

Diferente do luto, os sentimentos de tristeza e pessimismo em relação ao futuro são constantes na pessoa que possui depressão subclínica, podendo durar meses e até anos.


Leia também: Síndrome do Pânico: enfrentando o medo dia após dia


Não devemos confundir a incapacidade de lidar com a perda (processo de luto irracional ou patológico) com a depressão, um transtorno com bases neuropsicológicas e que pode ser desencadeado em diferentes cenários.

Exemplo de luto patológico: não admitir que a morte ocorreu, não querer se desfazer de nenhum objeto do ente falecido.

Muitas vezes, existem casos extremos em que o comportamento é agir como se nada tivesse ocorrido, passando a ignorar a morte ou qualquer documento, situação que remeta ao falecimento.

Não aceita mencionar o nome da pessoa e não suporta estar em cenários associados emocionalmente a essa perda.

Comportamentos que fazem parte do luto

  • Sentimento de vazio e tristeza.
  • A dor do luto pode surgir acompanhada de um humor positivo e tentativa de adaptação às situações diárias.
  • O autocuidado e a autoestima permanecem saudáveis dentro do possível.
  • É comum o pensamento de morte com intuito de unir-se ao falecido, mas sem planejamento ou tentativa.
  • Fala-se sobre a pessoa falecida com normalidade, mesmo que isso gere emoção.
  • A dor da perda não gera um sentimento de bloqueio. Existe o anseio de viver, pensar no futuro e mudar o que for preciso.

O luto possui 5 fases e é preciso viver cada uma, são elas: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

Quando essas fases não são vivenciadas o luto patológico ou a depressão surgem.

Comportamentos que merecem atenção e podem indicar luto patológico

  • Reações emocionais excessivas diante de cenários ou situações que lembram o falecido.
  • Busca por mudanças radicais na vida, seja de novos amigos, trabalho, casa, com intuito de que isso diminua as sensações geradas pelo luto.
  • Mudanças bruscas de humor que oscilam entre euforia e períodos de total isolamento.
  • Existem bloqueios que impedem a pessoa de falar sobre o falecido, pois isso gera sentimentos e reações fora do próprio controle.

Quando recorrer à terapia como apoio e enfrentamento do luto?

Nem sempre enfrentar o luto é uma tarefa simples, embora seja natural e faça parte da vida de qualquer pessoa, não devemos julgar que todos possam reagir da mesma forma.


Leia também: Como a escuta terapêutica beneficia o seu cérebro


O primeiro passo é compreender que existem reações e interpretações totalmente distintas sobre o luto.

As crenças pessoais, religião, nível de ligação e dependência com o falecido, além do ambiente em que a pessoa construiu a própria vida, modificam a maneira de enfrentar a situação.

Recorrer a terapia é uma alternativa saudável caso esteja presente alguns sinais de que o luto está gerando bloqueios e impedindo a pessoa de seguir em frente, ter planos para o futuro e permitir que os aspectos positivos também estejam presentes no seu dia a dia, ausentando-se da culpa ou consciência pesada.

Na terapia cognitivo-comportamental existe a compreensão da origem das crenças e por meio dos esquemas cognitivos orientamos o paciente a buscar um entendimento mais amplo sobre a morte e maneiras racionais de enfrentar a perda.

São aplicados esquemas que identificam os pensamentos distorcidos gerados de maneira automática.

A terapia atua apresentando ao paciente pensamentos alternativos a estes, por meio de exercícios diários sobre novas interpretações acerca dos sentimentos e bloqueios.

Como exemplo, se o paciente costuma sentir culpa pelo o que ocorreu ao falecido, a questão é levantada por meio de novas perspectivas e treinos cognitivos. Será substituído o pensamento negativo por novas abordagens que atenuam a culpa e os bloqueios.

Lembre-se: o luto é um processo que faz parte, mas jamais deve negligenciar os próprios sentimentos.

Não existe uma única fórmula comportamental para todas as pessoas, portanto devemos esquivar-se de qualquer tipo de julgamento ou conceitos.

Se as sensações geram bloqueio e impedem a pessoa de avançar, de ser feliz, é fundamental o apoio psicológico e a libertação desses sentimentos.


Referência:
Detalhes de protocolo de luto e a terapia cognitivo-comportamental

Clínica de Psicologia Nodari
Especializada em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)
Atendimentos Particulares em Psicoterapia e Avaliação Neuropsicológica

Está localizada na Vila Mariana, São Paulo/SP
11 99725-4565

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clínica de Psicologia Nodari

Nosso blog tem como objetivo trazer textos dicas, ferramentas, informações, enfim, conteúdos que acreditamos que possam ajudar as pessoas a melhorar o seu bem-estar e qualidade de vida. Além de refletir a importância da psicoeducação no processo terapêutico.

Oferecemos atendimentos psicológicos em:

  • Psicoterapia - Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) e
  • Avaliações Neuropsicológicas.
  • Outros Posts

    O que é autocrítica?

    Autocrítica exagerada nos transforma em nosso pior inimigo. Mas melhorar essa relação só depende de você. Confira as dicas no texto.

    plugins premium WordPress