Blog

Post

O que é a síndrome de Asperger?

A síndrome de Asperger é um transtorno do espectro do autismo. Consiste num distúrbio neurológico, que compromete o desenvolvimento da comunicação e habilidades de socialização.

A síndrome de Asperger é uma forma de autismo, que compromete habilidades de comunicação e socialização. Saiba quais são os sinais do transtorno.


A síndrome de Asperger é um transtorno do espectro do autismo. Consiste num distúrbio neurológico, que compromete o desenvolvimento da comunicação e habilidades de socialização.

Foi nomeada pelo pediatra austríaco Hans Asperger, que descreveu a doença pela primeira vez em 1944, a partir de estudo conduzido com 4 crianças.

Nesses indivíduos, o médico observou comportamentos como “falta de empatia, pouca capacidade de fazer amizades, conversas unilaterais, intensa absorção em um interesse especial e movimentos desajeitados” — até hoje utilizados como base para diagnóstico do distúrbio.

Tais considerações, obviamente, não são suficientes para explicar a complexidade da síndrome de Asperger.

Mas, não se preocupe. Nos tópicos a seguir, vamos detalhar as características do transtorno, de forma a deixá-lo mais claro e perceptível.

Como é uma pessoa com síndrome de Asperger?

Os sintomas de Asperger podem aparecer já no primeiro ano de vida. Contudo, nessa fase, as características são difíceis de identificar e costumam ser atribuídas a outros problemas — ou não são interpretadas como anormais.

Geralmente, é quando a criança atinge idade escolar que as diferenças no desenvolvimento sócio-comportamental começam a chamar a atenção.

Por vezes, o diagnóstico é ainda mais tardio, ocorrendo apenas quando a pessoa chega à idade adulta. Nessa fase, com as mudanças de demandas do dia a dia, certas inabilidades adquirem evidência.

Os sintomas que caracterizam uma pessoa com síndrome de Asperger variam bastante. É possível que apenas alguns indícios se manifestem ou que todos estejam presentes, em diferentes momentos da vida.

Os sinais que podem ser observados incluem:

  • dificuldade para fazer amigos, sendo que a pessoa com Asperger pode se sentir mais confortável em interações com pessoas de faixa etária diferente da sua (tanto mais novas quanto mais velhas);
  • ritmo verbal problemático, com repetição de ideias, tom monótono (“robótico”), fala muito rápida ou lenta, discurso desorganizado ou incoerente;
  • pouco contato visual durante conversas;
  • dificuldade para interpretar sentimentos, humor e intenções de outras pessoas;
  • inabilidade para entender sarcasmo, ironia e piadas;
  • reduzida capacidade de compreender linguagem corporal e expressões faciais;
  • limitada expressão das próprias emoções;
  • problemas para controlar tom de voz (podem, por exemplo, falar muito alto em locais que pedem moderação de volume, como em igrejas e bibliotecas);
  • foco acentuado em si próprio, falando exclusivamente sobre seus interesses e pontos de vista;
  • movimentos repetitivos (como bater as mãos ou agitar os braços);
  • obsessão por certos assuntos, aos quais se dedicam com afinco e reúnem vasto repertório de informação;
  • grande afeição a rituais ou padrões de comportamento, manifestando reações exageradas diante de mudanças;
  • comportamento estranho ou socialmente inadequado (comentários “sem filtro”, com excesso de honestidade, indiferença ou demonstração de postura pedante);
  • déficit na coordenação motora;
  • sensibilidade atípica a ruídos, toques, odores, gostos ou estímulos visuais;
  • memória privilegiada, rico vocabulário, atenção a detalhes e grande capacidade de concentração, especialmente nas áreas de conhecimento que o cativam.

Causas da síndrome de Asperger

A causa exata do transtorno ainda é desconhecida. A hipótese mais aceita é que a síndrome resulta de uma combinação de fatores genéticos e ambientais, que afetam o desenvolvimento do cérebro.

Evidências crescentes sugerem que os lobos frontal e temporal do cérebro são as áreas nas quais as disfunções se concentram.

Vale enfatizar que a síndrome de Asperger não é causada por vacinas ou traumas emocionais (como a presença da criança em conflitos domésticos, falta de afeto ou negligência dos pais).

Diferença entre autismo e síndrome de Asperger

Desde 2013, com a edição mais atualizada do Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (DSM-5), a síndrome de Asperger não é considerada um diagnóstico isolado, mas sim parte de uma categoria denominada transtorno do espectro do autismo.

Ainda assim, muitos médicos seguem utilizando a nomenclatura, pois entendem que a condição apresenta especificidades e sintomas menos graves que outras formas de autismo.

No comparativo, costumam ser percebidas diferenças como:

  • Crianças com autismo apresentam atraso no desenvolvimento do idioma, começando a falar mais tarde que as outras crianças. No caso de Asperger, essa demora nem sempre é perceptível.
  • Embora encontrem dificuldades para socializar, pessoas com Asperger demonstram interesse em interagir e conversar. Já os autistas, geralmente preferem se manter distantes e isolados, na maior parte do tempo.
  • O autismo costuma estar associado a um QI abaixo da média, enquanto a síndrome de Asperger pode estar relacionada a uma inteligência e desempenho acadêmico acima do normal.
  • Exames de eletroencefalograma demonstram diferentes padrões de atividades cerebrais entre autistas e pessoas com Asperger, em especial no tocante às conexões no hemisfério esquerdo do cérebro — mais pronunciadas, no segundo grupo.

Em ambos os casos, o diagnóstico precoce é extremamente benéfico, pois favorece tanto a adaptação da pessoa quanto a orientação de pessoas próximas, no que se refere à adoção de comportamentos mais assertivos.

Caso as informações que encontrar neste texto lhe despertem a dúvida sobre a condição de alguém de sua convivência, faça o possível para que esta pessoa possa contar com avaliação — e, por consequência, tratamento — profissional.

A síndrome de Asperger é crônica e não há “cura” para o problema.

Porém, tratamentos — como terapia cognitivo comportamental e medicamentos — permitem incrementos significativos na qualidade de vida.

Com apoio social, comportamental e educacional, pessoas com a síndrome podem ter rotinas produtivas e felizes.


Você tem outros questionamentos sobre a síndrome de Asperger? Então registre sua dúvida nos comentários! Suas interrogações são essenciais para que possamos produzir o conteúdo que você espera encontrar por aqui.


Clínica de Psicologia Nodari
Especializada em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)
Atendimentos Particulares em Psicoterapia e Avaliação Neuropsicológica

Está localizada na Vila Mariana, São Paulo/SP
11 99725-4565

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clínica de Psicologia Nodari

Nosso blog tem como objetivo trazer textos dicas, ferramentas, informações, enfim, conteúdos que acreditamos que possam ajudar as pessoas a melhorar o seu bem-estar e qualidade de vida. Além de refletir a importância da psicoeducação no processo terapêutico.

Oferecemos atendimentos psicológicos em:

  • Psicoterapia - Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) e
  • Avaliações Neuropsicológicas.
  • Outros Posts

    O que é autocrítica?

    Autocrítica exagerada nos transforma em nosso pior inimigo. Mas melhorar essa relação só depende de você. Confira as dicas no texto.

    plugins premium WordPress