meditação,benefício da meditação,meditação para cérebro,ténicas de meditação

Blog

Post

Benefícios da meditação para o cérebro

Benefícios da meditação para o cérebro, comprovados pela ciência.

A meditação é uma ótima opção para reduzir nossos índices de estresse, que estão aumentando cada vez mais, devido ao ritmo acelerado dos dias de hoje.

Ela estimula nossa autorregulação de estados emocionais, nos dá maior consciência e criatividade, pode aumentar o QI e estimula o sistema imunológico, entre muitas outras vantagens.

Os efeitos dessa prática em nosso corpo e mente são cientificamente comprovados. Inclusive, a meditação é indicada como complemento em diversos tratamentos tradicionais.

Vamos conferir o que essa prática pode trazer de benefícios para o seu cérebro, segundo a ciência.

Boa leitura!

1. Meditação impede que seu cérebro envelheça

Um estudo da UCLA (Universidade da California em Los Angeles) mostrou que pessoas que praticam a meditação regularmente apresentam um cérebro mais “preservado” e, portanto, mais jovem do que aqueles que não praticavam a meditação.

Conforme dados divulgados pela pesquisa, os participantes que praticaram meditação por uma média de 20 anos tiveram maiores volumes de massa cinzenta no cérebro.

Eileen Luders, Nicolas Cherbuin e Florian Kurth — autores do estudo, disponível na revista científica Frontiers in Psychology — acrescentam ainda:

“O cérebro humano começa a diminuir em volume e peso a partir de meados dos 20 anos em diante. Essa deterioração estrutural leva progressivamente a prejuízos funcionais e é acompanhada por um risco aumentado de doença mental e doença neurodegenerativa…
Naturalmente, isso requer uma melhor compreensão dos mecanismos patológicos que levam ao envelhecimento cerebral, mas também a identificação de fatores que protegem a saúde cerebral… 
Muita pesquisa se concentrou na identificação de fatores de risco, mas relativamente menos atenção tem sido voltada para abordagens positivas destinadas a melhorar a saúde cerebral.
A meditação pode ser um possível candidato na busca por uma abordagem positiva, pois há ampla evidência de seus efeitos benéficos para vários domínios cognitivos, incluindo atenção, memória, fluência verbal, função executiva, velocidade de processamento, flexibilidade cognitiva geral, bem como monitoramento de conflitos e até criatividade.”*

2. Funciona como um ansiolítico natural

Apenas alguns minutos de meditação podem reduzir o estresse e diminuir os efeitos da depressão.

Um estudo realizado pela John Hopkins University, em 2014, mostrou que existe uma relação entre a meditação e a capacidade de reduzir os sintomas de depressão, ansiedade e dor.

Esse estudo apontou que o impacto da meditação é semelhante ao dos medicamentos para tratar a depressão, pois meditação é uma forma de treinar o cérebro.

Em publicação destinada ao tema, no site Harvard Health Publishing, encontramos uma explicação interessante:

“Descobriu-se que a meditação altera certas regiões do cérebro que estão especificamente ligadas à depressão. Por exemplo, os cientistas mostraram que o córtex pré-frontal medial (CPFM) torna-se hiperativo em pessoas deprimidas. 
O CPFM é frequentemente chamado de ‘centro do eu’, porque é onde você processa informações sobre si mesmo — como preocupações com o futuro e ruminações sobre o passado
Quando as pessoas ficam estressadas com a vida, o CPFM entra em ação.
Outra região do cérebro associada à depressão é a amígdala, ou ‘centro do medo’. 
Essa é a parte do cérebro responsável pela resposta de luta ou fuga, que aciona as glândulas supra-renais para liberar o hormônio do estresse — o cortisol — em resposta ao medo e ao perigo percebido.
Essas duas regiões do cérebro trabalham umas com as outras para causar depressão. 
O centro do eu fica agitado, reagindo ao estresse e à ansiedade, e a resposta do centro do medo leva a um aumento nos níveis de cortisol, para combater um perigo que está apenas em sua mente. 
Pesquisas descobriram que a meditação ajuda a quebrar a conexão entre essas duas regiões do cérebro.”*

Técnicas de meditação podem ser usadas como coadjuvantes no combate à depressão e outros problemas de saúde.
A meditação pode reduzir os sintomas da depressão, da ansiedade e dores físicas.

Muitas pessoas têm a ideia de que meditar é sentar e não fazer nada, mas isso não é verdade.

A meditação é um treinamento mental para aumentar nossa consciência, além de ser uma excelente ferramenta para tratar os sintomas da depressão.


Leia também: Alimentos que combatem a depressão: confira uma lista de alimentos que você pode incluir na dieta.


3. Meditar melhora a capacidade de aprendizagem e a memória

Em 2011, pesquisadores da Universidade de Harvard descobriram que a meditação pode efetivamente alterar a estrutura biológica do cérebro.

O estudo mostrou que 8 semanas de meditação poderiam aumentar a espessura do hipocampo, área responsável pelo aprendizado e pela memória.

Da mesma forma, houve uma tendência a diminuir o volume da amígdala, responsável pelo medo, ansiedade e estresse.

4. Favorece a concentração e capacidade cognitiva

Ter problemas de concentração e atenção não é apenas uma questão infantil. É um problema que afeta milhões de adultos em todo o mundo.

Um estudo recente, realizado no Canadá, mostrou um interessante efeito da meditação: ela aumenta em cerca de 16% nossas capacidades de concentração na vida diária.

De acordo com a pesquisa, ao praticar meditação pelo menos duas vezes por semana, aumentamos nossa concentração e capacidade de evitar distrações, melhorando nossa qualidade de vida.

Se você se interessou sobre esse benefício da meditação, sugerimos que assista ao vídeo Meditar faz bem para o cérebro?, produzido pelo Hospital Israelita Albert Einstein.

Trata-se de uma animação, com duração aproximada de 1 minuto, por meio da qual você poderá aprender uma técnica básica para começar a meditar.

Confira:

5. Técnicas de meditação podem auxiliar no controle de ansiedade e fobias

Muitas pessoas meditam pelos benefícios quase imediatos na redução do estresse.

Nos últimos anos, várias técnicas de meditação foram popularizadas.

Uma delas, criada no Centro de Desenvolvimento da Mente da Universidade de Massachusetts, chama-se Redução do Estresse Baseada em Mindfulness.

Ela ajuda as pessoas a reduzirem sua ansiedade quando confrontadas com situações fora de sua zona de conforto.

A técnica consiste num curso de 8 semanas e diminui drasticamente os índices de estresse e a sensação de desespero frente a problemas. Seus efeitos podem duram anos.

Além disso, a Universidade de Stanford confirmou, em outra pesquisa de 2013, que as técnicas de meditação focadas na redução dos níveis de ansiedade geraram mudanças no cérebro dos pacientes, em regiões que envolvem o autocuidado e a ansiedade resultantes da pressão social.


Caso você queira aprofundar seus conhecimentos na técnica de mindfulness, encontrará ótimas referências disponíveis.

Dentre essas, podemos indicar uma obra recente, publicada pela Editora Artmed, com autoria de Ramon M. Cosenza — médico e doutor em Ciências, pela UFMG.

Trata-se do livro Neurociência e mindfulness: meditação, equilíbrio emocional e redução do estresse, cuja sinopse (disponibilizada no site da Artmed) você lê abaixo:

“Como a neurociência explica os efeitos da meditação?
A partir desse questionamento, este livro nos mostra, em linguagem acessível, como a meditação atua no cérebro, aumentando nossa capacidade de autorregulação, e como a atenção, a cognição, a emoção e a motivação se modificam em direção a um equilíbrio que aumenta a sensação subjetiva de bem-estar e permite uma existência mais saudável e serena. Inclui, ainda, a descrição de práticas meditativas recomendadas para impulsionar a obtenção do equilíbrio abordado ao longo da obra!”


6. Controlar vícios

Existem vários estudos que afirmam essa teoria.

Um deles, realizado pela American Lung Society, mostrou que a meditação é ainda mais eficaz do que programas para parar de fumar e, além disso, a duração de seu efeito é ainda maior do que a dos tratamentos tradicionais.

Isso pode se dar devido ao fato de que a meditação ajuda de alguma forma a “desconectar-se” desses hábitos. E tendo um estado mental e físico mais saudável, nos afastamos dos vícios.

A meditação é essencialmente treinar nossa atenção para que possamos estar mais conscientes - não apenas de nosso próprio funcionamento interno, mas também do que está acontecendo ao nosso redor no aqui e agora.
“A meditação é essencialmente treinar nossa atenção para que possamos estar mais conscientes – não apenas de nosso próprio funcionamento interno, mas também do que está acontecendo ao nosso redor no aqui e agora.” – Sharon Salzberg

Leia também: Hábitos: passo a passo para mudar sua rotina e inserir mudanças saudáveis no seu dia a dia


* Tradução nossa.

Clínica de Psicologia Nodari
Especializada em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)
Atendimentos Particulares em Psicoterapia e Avaliação Neuropsicológica

Está localizada na Vila Mariana, São Paulo/SP
11 99725-4565

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clínica de Psicologia Nodari

Nosso blog tem como objetivo trazer textos dicas, ferramentas, informações, enfim, conteúdos que acreditamos que possam ajudar as pessoas a melhorar o seu bem-estar e qualidade de vida. Além de refletir a importância da psicoeducação no processo terapêutico.

Oferecemos atendimentos psicológicos em:

  • Psicoterapia - Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) e
  • Avaliações Neuropsicológicas.
  • Outros Posts

    plugins premium WordPress