Mitomania: como identificar um mentiroso compulsivo

Entenda o que é mitomania, a compulsão de mentir

Mitomania é o termo utilizado para descrever o comportamento de pessoas que mentem compulsivamente. Será que você conhece alguém assim?


Tópicos abordados neste texto:

  • O que é mitomania?
  • Quais as causas da mentira patológica?
  • Como identificar um mentiroso compulsivo?
  • Como lidar com um mitomaníaco?

O que é mitomania

Mitomania é a tendência compulsiva de contar mentiras. É um comportamento patológico, crônico, que geralmente tem suas raízes na infância.

O mitômano — termo utilizado para denominar alguém que manifesta tal inclinação — é muito diferente dos mentirosos ocasionais.

Por exemplo: certamente, você já cometeu “pequenas desonestidades”. Fez isso para evitar algum constrangimento, parecer mais interessante, agradar alguém, escapar de um problema…

Não importa o quão “nobre” — ou não — foi sua motivação. A questão é que você tinha um propósito com a mentira.

No caso dos mentirosos compulsivos, esse porquê é, no mínimo, bastante impreciso.

Além disso, a frequência das mentiras é extraordinária, a ponto da vida do mitômano ser uma completa ficção.

Mas o que leva uma pessoa a adotar tal comportamento? Como reconhecer a mitomania?

Se você está curioso para entender melhor a condição, continue a leitura deste artigo.

Causas da mitomania

Não há consenso sobre as causas exatas da mentira patológica. No entanto, diferentes estudos apontam possíveis explicações, tais como:

Em relação ao último ponto mencionado, cabe um adendo.

É importante informar que o DSM-5 (edição mais recente do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) não reconhece a mitomania como uma condição de saúde mental isolada.

Contudo, o Manual cita a mentira compulsiva em vários momentos, a situando como característica de transtornos maiores, como:

Como reconhecer um mentiroso compulsivo

como identificar um mentiroso compulsivo
O mentiroso crônico é inteligente e elabora suas narrativas de forma a torná-las plausíveis.

Estes são alguns sinais e características que podem te auxiliar a identificar mentirosos patológicos:

1. Os benefícios da mentira não são claros

Mitômanos podem inventar histórias sobre qualquer coisa, de situações cotidianas a eventos grandiosos. E, quando buscamos entender a justificativa dessas fabulações, muitas vezes, não conseguimos compreender a necessidade dele ter forjado tal realidade.

A mentira aparece como um hábito, um impulso, que não se atém a um propósito específico.

Perceba a diferença: pense em algumas mentiras que você já contou na vida. Ao lembrar desses episódios, você conseguirá enxergar os motivos (pressões) que o impeliram à escolha de “inverdades”.

No caso dos mentirosos crônicos, essas razões são intangíveis. Eles apenas parecem decidir criar um relato, espontaneamente.

2. O mentiroso crônico costuma se apresentar como herói ou vítima

Em suas histórias, o mitômano desempenha papéis notáveis.

Você perceberá que ele é sempre o protagonista, nunca um mero observador ou coadjuvante.

Buscando adulação e simpatia, ele pode inventar que sofre com uma terrível doença ou narrar tragédias pessoais, por exemplo.

3. Muitas mentiras envolvem feitos extraordinários

Mentirosos patológicos, geralmente, falam sobre realizações profissionais impressionantes ou experiências pessoais invejáveis.

Seus relatos levam a crer que suas vidas são muito interessantes, permeadas por episódios de sucesso, destaque e felicidade.

Podem alegar conhecer pessoas famosas, frequentar lugares cobiçados, possuir itens valiosos, gozar de grande prestígio no mercado de trabalho ou ter sensacionais aventuras no currículo.

Problemas de autoestima podem estar por trás desse comportamento.

Ao considerar que suas vidas e personalidade não são suficientes para cativar a atenção dos outros, os mitômanos optam por se descrever da forma como gostariam de ser — e não como são.

4. As histórias parecem plausíveis

O mentiroso crônico é inteligente e elabora suas narrativas de forma a torná-las críveis.

Assim, frequentemente, ele utiliza referências à realidade, exagerando em alguns pontos e acrescentando outros.

Também é comum que se aproprie de narrativas de outras pessoas, incluindo situações que viu no noticiário ou num filme.

Isso dificulta ainda mais a descoberta da mentira, já que ela pode refletir um acontecimento real. Apenas não aconteceu com a pessoa que alega a ter vivido…

5. Mentirosos patológicos não gostam de ser questionados

Obviamente, ninguém gosta de ver sua credibilidade em dúvida. Contudo, nos casos de mitomania, as reações às perguntas podem ser bastante desproporcionais.

Mesmo questionamentos pertinentes, sutis, são capazes de deixar o mentiroso contrariado e, até, agressivo.

Quando escutam uma pergunta para a qual não estavam preparados, podem se tornar evasivos e defensivos.

Se encurralados de forma a não encontrarem outra saída, talvez confessem a mentira — já que têm consciência de suas fabulações.

No entanto, mesmo admitindo a desonestidade, provavelmente tentarão acobertá-la, inventando novas histórias e promovendo um grande emaranhado de (des)informações.

6. As mentiras começam cedo

Provavelmente, em seu primeiro contato com o mentiroso compulsivo, você já ouviu uma série de inverdades.

Eles não desejam que você os conheça como são, pois isso tornaria as mentiras futuras inconsistentes.

7. Mentirosos compulsivos são sedutores

Como exibem uma personalidade fascinante, costumam ter facilidade para atrair pessoas.

Contudo, seus relacionamentos — namoros, amizades e relações profissionais —, geralmente, são breves ou instáveis.

Quando farsas começam a ser descobertas, é natural que acabem afastando as convivências. Porém, nem sempre essa iniciativa parte de quem ouve a mentira.

Os mitômanos sabem que, quanto maior a proximidade e participação dos outros em sua vida, mais difícil será sustentar sua versão fictícia. Logo, propositalmente, podem evitar relacionamentos longos ou com maior intimidade.

Como lidar com um mentiroso compulsivo

  1. Leia sobre o distúrbio: se o mentiroso compulsivo (mitômano) é alguém que você ama, procure entender a condição (mitomania) o melhor possível.
  2. Evite grandes confrontos: não adianta acusar o mitômano de suas mentiras. Ele negará ou inventará outras. Prefira questioná-lo aos poucos, focando em detalhes incoerentes.
  3. Faça anotações: se o mentiroso crônico for alguém próximo, registrar conversas para mostrar que as informações “não batem” pode ser uma tática para convencer o mitômano de que ele tem um problema. E precisa de ajuda.

Confrontar a mitomania, buscando desmascarar o mentiroso com provas, não resolve o problema. Ele não irá mudar o comportamento, só porque foi desmascarado.

Se você deseja ajudar uma pessoa com essa condição, busque formas de incentivá-lo a procurar por um psicólogo. Pode ser difícil convencê-lo. Portanto, seja gentil e paciente.


Como sempre, fique à vontade para compartilhar suas dúvidas e experiências, no espaço dos comentários.

Clínica de Psicologia Nodari

Clínica de Psicologia Especializada em Terapia Cognitivo Comportamental.

Está localizada na Vila Mariana/SP.

11Comentários

  • Deborah Secco
    11/10/2021

    Valorizo a intenção da clínica em informar sobre o tema, mas a abordagem utilizada causa certa dor a quem luta conscientemente contra o transtorno.

    Neste e em todos os conteúdos encontrados sobre mitomania e transtorno afetivo bipolar, a descrição dos sintomas e característica é fidedigna, mas direcionada apenas a pessoas que não vivem com os transtornos.

    Trabalho há quase 2 anos na terapia e com acompanhamento psiquiátrico e estou muito melhor, mas tenho ciência de que não existe uma cura. Mas ler um conteúdo como este tem um efeito absolutamente tóxico, de desesperança.

    Reply
    • Clínica de Psicologia Nodari
      11/10/2021

      Olá.
      Sentimos muito por isso, de verdade.
      Se quiser nos contar como é, pelo seu ponto de vista, ficaremos imensamente felizes em mostrar por uma perspectiva mais humana e menos teórica.

      Reply
  • margarete
    15/02/2022

    meu pai mente sem qualquer necessidade, desde sempre.
    Quer dizer, ele me detesta e me evita e rejeita, então quando ele diz aos médicos “eu não tenho ninguém, sou sozinho” (tadinho), é certamente para ele não ter que pedir para levá-lo ao médico ou coisas do tipo.
    Meu pai tem TPAS.
    Infelizmente não tem COMO levá-lo a psiquiatra. Primeiro ele teria de reconhecer que não é normal.

    Reply
  • Paulo
    31/03/2022

    Poderia comentar sobre consequências a quem se envolve amorosamente ou foi descartado por uma mitômana?
    De ante mão posso afirmar que é uma experiência incrivelmente difícil.

    Reply
    • Clínica de Psicologia Nodari
      07/04/2022

      Olá, Paulo!
      Claro, vamos pensar em um texto a respeito. Obrigada pela ideia!

      Reply
      • Ronaldo
        04/06/2022

        Minha irmã mais velha mente sempre que discutimos, uma vez ela afirmou que de acordo com uma pesquisa os migtws são em sua maior parte estupradores, daí outro dia ela afirmou que nem sabe o que significa migtws, ela também tem dificuldade em admitir que está errada como uma vez em que ela discutiu comigo dizendo que faz sentido um vegano ser dono de uma empresa de carnes, em todas as discussões ela se faz de vítima e já cheguei até mesmo a acreditar nela pois suas mentiras são convincentes, inicialmente eu achava que ela tinha uma mente muito fechada, mas com o tempo eu percebi que ela muito raramente admite que está errada e sempre cria mentiras pra se sobressair, ela sofre de ansiedade e depressão além de não suportar ser questionada, quando questionada ela te acusa de algo que você não é e tenta te atacar com palavras sejam elas diretas ou indiretas, usa a ironia com frequência, além de não reconhecer quando está sendo hipócrita mesmo se estiver escancarado na própria cara.

        Reply
        • Clínica de Psicologia Nodari
          15/06/2022

          Imaginamos como você deve se sentir com isso, Ronaldo.
          Você já pensou em fazer terapia? Pode te ajudar a entender e a lidar melhor com essa situação.

          Reply
      • Junia Pereira de Moraes Abrahão
        04/06/2022

        Acredito que meu marido é mitomano, ele trabalhou 22 anos numa empresa de vendas onde ele aprendeu a mentir p vender, e isso se tornou uma frequencia mesmo depois de nao vender mais….e agora as mentiras se tornou rotina na vida dele, não gosta de ser confrontado qdo descobrimos a mentira, fica nervoso qdo questionado e fica de bicão por uma semana….desde adolescencia teve problema de autoestima…..sempre se faz de vitima e culpa os outros pelo seus erros…..não aceita ajuda, nem psicologo…….ja estou a ponto de me divorciar dele pq nao aguento mais lidar com uma pessoa que mente em tudo…..me ajude como lidar c isso por favor

        Reply
        • Clínica de Psicologia Nodari
          15/06/2022

          Boa tarde Junia,
          Sentimos muito que passe por essa situação e isso esteja te levando ao seu limite.
          É difícil compreender os motivos que o levam a mentir. Baixa autoestima pode ser um dos fatores, pois pode estar ligada à falta de confiança em si mesmo, pode ser uma maneira de obter a aceitação das pessoas ou a autoaceitação, assim como pode ser uma doença como explicado no texto. Mas tão importante quanto você buscar entender os motivos pelo qual ele mente, é você entender por que isso te afeta tanto e se é possível conviver de forma saudável com essa característica dele. Um psicólogo pode te ajudar nesse processo.

          Reply
  • Josue Steinke
    07/06/2022

    Imerso em minhas mentiras até pouco tempo eu achava que aquilo não me afetava. Porém, agora estou em busca de um tratamento, não consigo formular um diálogo sem uma mentira e isso está me deixando instável emocionalmente.

    Reply
    • Clínica de Psicologia Nodari
      15/06/2022

      Imaginamos o que você deve estar passando Josue.
      Se quiser, pode entrar em contato conosco por telefone, whatsap, email, pelo formulário no nosso site ou avalie buscar profissionais que trabalhem com a terapia cognitivo comportamental é uma das abordagens mais eficazes no tratamento das compulsões.

      Reply

Deixe um comentário