chantagem emocional,chantagista

Blog

Post

Chantagem emocional: sinais de amor ou de manipulação?

chantagem emocional

Veja neste texto: o que é chantagem emocional? Perfil do chantagista. Características da manipulação psicológica. Exemplos. Como enfrentar manipuladores.

“O chantagista torna quase impossível perceber como ele está nos manipulando, porque cria uma névoa espessa (de medo, obrigação e culpa) que obscurece suas ações.” — Susan Foward

Se você pensa que apenas pessoas muito ingênuas podem cair em chantagem emocional, está totalmente enganado.

Para começar, vamos entender o seguinte: o efeito da chantagem depende mais do manipulador do que da vítima.

Em segundo lugar, saiba: a chantagem emocional pode ser bastante sutil.

E, num relacionamento, costuma ser confundida com “sinais de amor”.

Difícil de acreditar?

Bem, provavelmente você vai mudar de ideia depois de ler este texto.


Neste post:


O que é chantagem emocional

Chantagem emocional é uma forma de manipulação psicológica onde o tom de ameaça se faz bastante presente. O chantagista se vale da conexão que possui com a vítima para obter o que deseja, insinuando consequências negativas, caso seja contrariado.

A pesquisadora Susan Forward — PhD e renomada especialista em questões de relacionamento e família — propõe a seguinte definição em seu livro Chantagem Emocional: quando as pessoas ao seu redor usam o medo, a obrigação e a culpa para manipular você:

A chantagem emocional é uma forma poderosa de manipulação em que as pessoas próximas a nós ameaçam nos punir, direta ou indiretamente, se não fizermos o que elas querem. Chantagistas emocionais sabem o quanto valorizamos nosso relacionamento com eles. Eles conhecem nossas vulnerabilidades e nossos mais profundos segredos. Eles podem ser nossos pais ou parceiros, chefes ou colegas de trabalho, amigos ou amantes. Não importa o quanto eles se preocupem conosco, eles usam esse conhecimento íntimo para ganhar nossa conformidade.


Conteúdo relacionado: Agressão verbal: 7 sinais de abuso que você não deve ignorar


Tipos de chantagem emocional

Segundo a Dra. Susan Forward, existem 4 tipos de chantagem emocional:

1. Ameaça de punição

É o tipo de abuso psicológico mais evidente, pois o chantagista deixa claro que é capaz de prejudicar a vítima, se ela não ceder às suas vontades.

A punição pode envolver um dano material, físico ou afetivo. Mas também pode se anunciar por meio de tratamento silencioso ou comportamento agressivo, quando a vítima não faz exatamente o que o manipulador deseja.

2. Ameaça de autopunição

O chantagista se vale da preocupação do outro, afirmando que causará mal a si próprio caso suas exigências não sejam atendidas.

As ameaças podem envolver comportamentos de risco — como dirigir embriagado, dormir na rua, parar um tratamento médico ou abandonar o emprego.

Práticas de automutilação (promover ferimentos físicos) e ameaça de suicídio também são usadas por autopunidores para coagir sua vítimas.

3. Vitimização

Pessoas que não aceitam não como resposta podem se fazer de coitadas para obter comoção.

A principal tática é transferir culpa, de modo que o sofrimento — e o fim dele — pareça de total responsabilidade do outro.

4. Recompensa condicionada

Manipuladores podem prometer “recompensas” e agrados, desde que suas necessidades sejam atendidas.

Esse tipo de pressão psicológica é, talvez, o mais perigoso — pois, muitas vezes, soa como uma oferta ou troca de gentilezas.

No entanto, também é comum que a recompensa seja sempre adiada.

Num relacionamento íntimo, por exemplo. A pessoa pode afirmar que irá mudar, a partir da flexibilidade do outro. Porém, quando o manipulador é cobrado em relação à sua promessa, impõe novas condições à mudança.

Características da chantagem emocional

A manipulação emocional é marcada por sentimentos de culpa, remorso, pena, medo e obrigação, vivenciados pela vítima.

Causa profunda insegurança e ansiedade. Também gera dúvidas quanto ao certo e errado no relacionamento. Tanto que, muitas vezes, a pessoa chantageada questiona a sua forma de pensar e agir, julgando que cabe a ela se adaptar.

É preciso tomar cuidado para não confundir a chantagem com desavenças e pedidos normais. O principal indício de que você está sendo chantageado emocionalmente está na resposta às suas negativas.

Ou seja, se as suas opiniões e vontades são desprestigiadas com frequência, se o seu “não” é rebatido com ameaças de abandono, rejeição ou distanciamento, fique alerta.

Diante do comportamento do chantagista, pode parecer razoável ceder às exigências — já que outro meio de ficar em paz não se apresenta.

Contudo, obedecer e aceitar a chantagem tende a levar à repetição do comportamento.

E o manipulador, ao identificar a vulnerabilidade, seguirá usando o mesmo artifício, sempre que desejar novas vantagens.

Etapas da chantagem emocional

De acordo com a Dra. Forward, a chantagem psicológica segue 6 estágios:

1. O manipulador expressa sua demanda

Ele pode ser direto, comunicando explicitamente o que pretende. Ou pode insinuar seus objetivos, jogando com as emoções da vítima.

2. A vítima demonstra resistência

Uma vez que o chantagista solicita algo que é desagradável, prejudicial ou causa inconvenientes, é natural que a vítima tente recusar a proposta.

3. O chantagista impõe pressão psicológica

Pessoas controladoras não desistem de suas demandas com facilidade.

Para dissuadir a vítima a mudar de postura, o chantagista pode argumentar que está pensando no melhor para ambos, por exemplo. Ou seja, tenta se colocar como uma pessoa preocupada, carinhosa, motivada pelo amor.

Também podem se comportar de forma dramática, fazer críticas agressivas ou tentar convencer a vítima de que ela está sendo egoísta, irracional ou incoerente.

4. Uma ameaça é feita

O abusador faz com que a vítima se torne responsável pelo efeito negativo que sua recusa irá causar. O intuito é forçar a vítima a mudar de ideia, para evitar um aborrecimento mais sério.

A sugestão de recompensa pela obediência também se qualifica como ameaça. Nesse caso, o manipulador pretende informar que o resultado positivo depende, exclusivamente, da submissão às suas ordens.

5. A vítima se conforma e cede à intimidação

A chantagem emocional se concretiza quando a pessoa manipulada desiste de seus interesses, abre mão do que considera certo, para atender às demandas do outro.

6. A situação se repete

Uma vez que o chantagista conquista sucesso em sua estratégia, ele irá repeti-la. Não importa o dano que a violência psicológica cause à outra pessoa.


Importante: Chantagem emocional é crime

A chantagem emocional é caracterizada pela Lei Maria da Penha como violência psicológica. Logo, o comportamento pode ser denunciado.

Para entender o assunto com mais profundidade, veja o texto com todos os tipos de violência contra mulher previstos na Lei.

No artigo, você encontra, também, as orientações para realizar denúncias e buscar proteção.

Vale destacar que a Lei Maria da Penha existe para garantir proteção à mulher — estatisticamente, maior vítima de violência doméstica. Porém, a chantagem emocional e demais formas de violência psicológica podem atingir qualquer pessoa homens, mulheres e até crianças e adolescentes.


Perfil do chantagista emocional

Embora não exista um “padrão” de como um chantagista emocional se parece, eles costumam ter várias destas características:

  • São egocêntricos e apresentam tendências narcisistas.
  • Demonstram pouca empatia.
  • Têm dificuldade de assumir responsabilidades.
  • Oferecem ajuda e fazem coisas por você, mas cobram isso mais tarde.
  • Apresentam comportamento passivo-agressivo.
  • São emocionalmente imaturos.
  • Odeiam perder.
  • Demonstram medo de abandono.
  • Fazem muitas promessas, mas não as cumprem.
  • Não assumem quando estão errados.
  • Se fazem de vítima.
  • Mentem com muita facilidade.
chantagem emocional no relacionamento
“A mentira dele não é sua culpa. Mentir é escolha e problema dele, e se ele fizer essa escolha com você, ele fará com qualquer outra pessoa com quem estiver.” — Susan Forward

Conteúdo relacionado: Entenda o que é mitomania, a compulsão de mentir


Vítimas de chantagem

Pessoas que são alvo de chantagem podem apresentar algumas das seguintes inclinações:

  • Colocam suas necessidades em segundo plano.
  • Buscam aprovação e se preocupam em agradar outras pessoas.
  • Têm grande empatia e senso de compaixão.
  • Preferem evitar conflitos.
  • São bastante responsáveis, éticas e se preocupam em fazer o certo.
  • Podem ser inseguras e ter baixa autoestima.
  • Se sentem culpadas, com certa facilidade.
  • Demonstram sensibilidade a críticas.
  • Procuram se adaptar às situações, a fim de assegurar o bem-estar de uma relação.

Note que, em geral, não são comportamentos nocivos ou estranhos ao dia a dia de pessoas normais. Ao contrário: muitas das características listadas são desejáveis para garantir boas convivências.

O problema, portanto, não é o comportamento da vítima. O problema ocorre quando alguém percebe, nessas particularidades, uma brecha para obter vantagens.

Sinais de chantagem emocional: comportamentos que devem chamar sua atenção

Você sabe por que qualquer um pode cair em uma chantagem emocional?

Porque ela inicia de modo muito discreto.

Ou seja, os sinais da chantagem emocional estão em coisas aparentemente bobas, sem importância, que “deixamos passar”.

Também é muito difícil que um manipulador se revele “logo de cara”.

Geralmente, são pessoas gentis, agradáveis, que usam as palavras certas para ganhar, aos poucos, a confiança das vítimas.

Se você ouvir relatos de pessoas que viveram relacionamentos abusivos, verá que elas costumam dizer que se sentiam muito amadas e especiais — no início.

Esse afeto é a grande armadilha do abusador.

Ele usa o vínculo, que seus gestos agradáveis alimentam, como estratégia para obter o que deseja.

E, conforme isso dá certo, repete o padrão.

Então, como identificar os sinais de chantagem psicológica no relacionamento? Quais situações devem soar como alerta de que você está convivendo com um manipulador?

Veja alguns exemplos de como chantagistas emocionais costumam agir:

1. Eles dizem o que você quer ouvir

Fazem promessas de mudanças ou de recompensas, deixando você refém de esperanças que, com o tempo, se revelam falsas.

2. São hábeis em se esquivar de responsabilidades

Ou dão desculpas vazias para justificar compromissos que eles próprios assumiram, mas não cumpriram.

3. Demonstram ciúme excessivo e são muito controladores

Podem fazer você acreditar que esse “zelo” exagerado é sinal de que estão muito apaixonados.

4. Por vezes, os manipuladores emocionais são muito críticos em relação ao parceiro

Apontam falhas, defeitos, fazem comparações degradantes.

O intuito é abalar a autoestima da vítima, fazendo com que ela duvide que mereça um relacionamento melhor.

5. Chantagistas não se preocupam em apresentar argumentos razoáveis

Quando ocorrem brigas entre o casal, podem deixar o parceiro falando sozinho, sumir por um tempo sem dar explicações ou assumir um comportamento violento.

Se você acaba cedendo e encerra a discussão depois de atos assim, ele tende a repetir a estratégia sempre que se sentir intimidado.

6. Eles ameaçam fazer mal a si próprios ou, de algum modo, prejudicar o parceiro

Essas ameaças até podem acontecer em tom de “brincadeira”, mas insinuam avisos de consequências sérias.

7. Em público, as atitudes de chantagem emocional funcionam ao causar constrangimento

Ou seja, o manipulador, longe de “disfarçar” sua contrariedade, faz questão de deixá-la bem perceptível.

Altera o tom de voz, fica emburrado, é grosseiro com as outras pessoas ou age de forma “dramática”, chamando a atenção.

Só muda de ânimo quando consegue o que quer, forçando o parceiro a concordar com suas exigências para encerrar o episódio.

8. Manipuladores também usam a tática de dar presentes e fazer agrados.

E, depois, usam suas “boas ações” como barganha.

A ideia é mostrar que fazem tudo por você, que se sacrificam pelo relacionamento.

Logo, querem que você esteja disposto a fazer o mesmo quando chegar sua vez…

Exemplos de chantagem emocional

A fim de intimidar, coagir ou sensibilizar, chantagistas usam frases como:

  • “Se você me deixar, vou me matar.”
  • “Faço tudo por você! Por que você não pode fazer isso por mim?”
  • “Eu vou fazer você sofrer.”
  • “Você vai se arrepender.”
  • “Se você não se afastar daqueles seus amigos, não conte mais comigo.”
  • “Você deve estar ficando louco! Eu nunca disse/fiz tal coisa.”
  • “Olha o que você me fez fazer!”
  • “Não é minha culpa.”
  • “Perdi uma oportunidade de trabalho porque você não me ajudou como deveria.”
  • “Ou você faz o que estou mandando ou todos ficarão sabendo de seus segredos.”

Nem sempre a manipulação psicológica acontece com palavras.

O manipulador pode te ignorar por horas — ou dias — depois de uma discussão, para deixar você se sentindo culpado.

Também pode provocar ciúmes, para que você tenha medo de perdê-lo se não ceder às vontades dele.

Gestos agressivos, choro e comportamento antissocial em são outros exemplos de estratégias que chantagistas emocionais usam para obter o que desejam.

Chantagem emocional: lista de verificação para descobrir se você é alvo de um controlador

chantagem emocional é crime
Quais indícios que podemos estar em um relacionamento com um(a) controlador(a)?

Susan Forward sugere que você preste atenção aos seguintes indícios:

  1. Digo a mim mesmo que ceder não é grande coisa.
  2. Eu digo a mim mesmo que ceder vale a pena para fazer outra pessoa se acalmar.
  3. Digo a mim mesmo que o que eu quero está errado.
  4. Digo a mim mesmo que não vale a pena, que é melhor desistir agora e tomar uma atitude mais tarde.
  5. Penso que é melhor ceder do que magoar os sentimentos da outra pessoa.
  6. Eu não me defendo.
  7. Eu entrego meu poder.
  8. Faço coisas para agradar outras pessoas e fico confuso sobre o que eu realmente quero e acredito.
  9. Desisto de pessoas e atividades que me interessam para agradar a outra pessoa.

É claro que num relacionamento saudável também acontecem momentos em que nos sentimos ou agimos assim. Isso faz parte de qualquer convivência.

Sim, às vezes vamos nos sentir contrariados. E vamos seguir a vontade do outro, porque criar uma briga realmente não vale a pena.

Mas, se essa lista de verificação mostra coisas pelas quais você vem passando, com muita frequência, cuidado.

Faça uma autocrítica sincera.

Pense no seguinte: o quanto de sua voz, seus desejos e opiniões estão presentes no dia a dia do seu relacionamento?


Conteúdo relacionado: O que é complexo de inferioridade? Sintomas, causas e como superar


O que fazer diante dos sinais de chantagem emocional

Tudo sobre chantagem psicológica é difícil. Percebê-la, admiti-la, falar sobre ela…

E, no que diz respeito a tentar resolvê-la, essa dificuldade continua.

É importante que você saiba que, sem apoio profissional, é praticamente impossível mudar o comportamento de um manipulador.

Entenda que, para ele, o hábito de chantagear se tornou uma estratégia de enfrentamento. Ou seja, soa como algo funcional.

Para sair dessa condição, portanto, uma alternativa interessante é fazer terapia de casal.

Mas não se fixe na ideia de “consertar” o outro.

Preocupe-se consigo mesmo, priorize a sua saúde mental e sua capacidade de reagir.


Conteúdo relacionado: Como parar de sofrer: 6 maneiras de enfrentar a dor emocional


Para detalhar esse tópico, abaixo indicamos orientações sobre o que você pode fazer ao lidar com pessoas que fazem chantagem emocional.

Como enfrentar a chantagem emocional

O primeiro ponto que você deve ter em mente é que não podemos “mudar a cabeça” de ninguém. Isso só acontece quando a própria pessoa decide experimentar ser diferente.

Então, você fica impotente diante da situação? Vira um refém?

Calma, talvez você esteja esquecendo de uma coisa essencial sobre a chantagem. Ela precisa de duas pessoas para funcionar. E uma delas, você pode mudar.

Você decide o seu comportamento.

Se continuar repetindo o que sempre fez, vai sempre chegar ao mesmo resultado.

Portanto, assuma a parte de responsabilidade que você tem nessa equação.

Experimente novas atitudes.

Mude a forma como você costuma enfrentar a chantagem emocional.

Como?

Não há um caminho mágico.

Mas existem algumas coisas que você aprender com a psicoterapia:

1. Saiba que mudar a forma de lidar com a chantagem emocional será difícil para você

Infelizmente, você se acostumou a ceder.

Descobriu que assim poderia evitar brigas mais complicadas.

De certa forma, começou a aceitar que sua passividade seria melhor, mais segura.

Logo, mudar pensamentos e ações exige a coragem de romper com o que você já conhece.

Sim, é normal ter medo de fazer diferente.

É normal se ver repetindo um mesmo comportamento — ainda que ele nos faça mal — só para tentar se livrar rápido do problema.

Quando você se pegar pensando assim, tente lembrar deste trecho do livro da PhD Susan Forward:

Mudar é a palavra mais assustadora que existe. Ninguém gosta disso, quase todo mundo tem medo disso, e a maioria das pessoas, inclusive eu, se tornará extremamente criativa para evitá-lo. Nossas ações podem estar nos deixando infelizes, mas a ideia de fazer algo diferente é pior. No entanto, se há uma coisa que sei com absoluta certeza, tanto pessoal quanto profissionalmente, é esta: nada vai mudar em nossas vidas até que mudemos nosso próprio comportamento”.

2. Não aceite comportamento controlador como sinônimo de afeto

Atitudes superprotetoras indicam desconfiança, não amor.

3. Ao enfrentar pressão psicológica, assuma o lugar de um observador

Nem vítima, nem chantagista.

Se houvesse alguém de fora, que estivesse assistindo à situação, como interpretaria tudo?

Experimente fazer este exercício: lembre de uma situação de chantagem que você já enfrentou.

Tente recobrar as coisas que passaram pela sua cabeça naquela ocasião. Quais emoções estava sentindo?

Agora, pense que você poderia dar um conselho para si mesmo naquele momento.

O que faria diferente? Qual ideia não lhe ocorreu naquela hora, mas lhe vem à mente agora?

Você não pode mudar o passado, claro. Mas olhar para ele pode dar pistas de erros que se repetem no presente. E vão continuar acontecendo no futuro, se você mantiver os mesmos pensamentos.


Conteúdo relacionado: Pensamentos disfuncionais: 18 tipos de pensamentos que te fazem sofrer


4. Adie sua resposta

A chantagem emocional nos coloca sob pressão. Tire um tempo para se acalmar antes de dizer alguma coisa.

Isso irá contrariar a vontade do chantagista, então seja firme! Encerre a conversa e diga que só voltará a ela depois de pensar melhor sobre o assunto.


Conteúdo relacionado: Como organizar os pensamentos: 4 maneiras de colocar as ideias em ordem


5. Desafie seus pensamentos automáticos ao se deparar com chantagens

A chantagem emocional provoca três sentimentos: medo, obrigação ou culpa.

Independente de qual dessas emoções você sente, você cede ao chantagista porque acredita que elas fazem sentido.

Mas será mesmo?

  • Você realmente não está cumprindo algo que prometeu? Ou simplesmente foi pego de surpresa com a imposição de “devolver um favor”, sem que nada tivesse sido combinado?
  • A culpa é mesmo sua? Você fez ou quer fazer algo que causa um mal objetivo à outra pessoa? Ou vocês apenas têm pontos de vista e vontades diferentes?

Quando a chantagem envolve medo, a situação é mais complicada.

Algumas ameaças podem ser bastante graves, pois o manipulador costuma usar segredos, pontos fracos e vulnerabilidades que significam muito para nós.

Se você tem um relacionamento muito próximo com alguém que lhe inspira medo, peça ajuda de um psicólogo.

Passar por isso sozinho pode acabar com sua autoconfiança.

E, por incrível que possa parecer, sempre há uma solução na qual não pensamos. Confie em um profissional para ajudar você a encontrá-la.


Conteúdo relacionado: Consulta com psicólogo: como é a primeira sessão de terapia?


6. Não responda à ameaça com outra ameaça

Quantas vezes você já disse “esta é a última vez” e fez exatamente o que o chantagista queria?

No fundo você sabe que deveria dar um basta, naquele momento.

Mas adia a atitude. Dá um novo crédito à pessoa.

Deixa a chantagem emocional vencer e, embora não seja sua intenção, prova ao manipulador que ela funciona.

Não vamos mentir: provavelmente vai doer e você se sentirá desconfortável ao, finalmente, resolver colocar seu bem-estar em primeiro lugar.

Você precisará ser forte.

Mas cabe a você mostrar que não vai mais aceitar o tratamento que recebe.

Lembre-se de que você não pode definir como a outra pessoa se comporta. Mas pode alterar sua reação a ela.


Conteúdo relacionado: Aprender a se valorizar: 7 maneiras de alavancar seu amor-próprio


7. Defina seus limites

Aprenda a dizer não quando se sente sufocado.

Mostre, com atitudes, que você não está mais disposto a abrir mão de suas escolhas, de sua liberdade, de sua tranquilidade.

Seja firme em sua decisão, pois o chantagista provavelmente tentará convencê-lo a mudar de ideia.

Tenha em mente que é sua autonomia que está em jogo.

E se o relacionamento não puder sobreviver ao seu direito de fazer as próprias escolhas, é realmente mais sensato que ele chegue ao fim.

Quando não somos mais capazes de mudar uma situação, somos desafiados a mudar a nós mesmos.” Viktor Frankl

Livros sobre manipulação psicológica e chantagem emocional no relacionamento

Como leituras complementares, sugerimos os seguintes títulos:

1. Abuso de fraqueza e outras manipulações. Por Marie-France Hirigoyen. Editora Bertrand Brasil.

2. O amor não dói: não podemos nos acostumar com nada que machuca. Por Anahy D’Amico. Editora Paidós.

3. Feridas invisíveis: abuso não-físico contra mulheres. Por Mary Susan Miller. Summus Editorial.

4. Relações destrutivas: se ele é tão bom assim, por que me sinto tão mal? Por Avery Neal. Editora Gente.

5. O fenômeno gaslighting: saiba como funciona a estratégia de pessoas manipuladoras para distorcer a verdade e manter você sob controle. Por Stephanie Sarkis. Editora Cultrix.

6. Chantagem emocional: quando as pessoas ao seu redor usam o medo, a obrigação e a culpa para manipular você. Por Susan Forward, com colaboração de Donna Frazier. Editora Rocco.

7. Mentes maquiavélicas: a psicologia da manipulação. Por Tamás Bereczkei. Editora Vozes.

8. Como se defender dos manipuladores: estratégias eficazes para evitar que as pessoas se aproveitem de você. Por Yves-Alexandre Thalmann. Editora Sextante.

9. Sequestradores de almas. Por Silvia Malamud. Editora Agwm.

10. Assuma o controle de sua vida: como dizer não à manipulação emocional. Por Carl Alasko. Editora Lafonte.

11. Como lidar com pessoas manipuladoras: aprenda a reconhecer e a lidar com pessoas manipuladoras e nunca mais se torne vítima. Por George K. Simon. Editora Universo dos Livros.

Clínica de Psicologia Nodari
Especializada em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)
Atendimentos Particulares em Psicoterapia e Avaliação Neuropsicológica

Está localizada na Vila Mariana, São Paulo/SP
11 99725-4565

Comentários

28 respostas

  1. E se todas estas agressões e crimes estiverem sendo cometidos contra o marido à anos…e NÃO contra a esposa como é tão Amplamente Divulgado….A proteção do Bem estar e dos direitos deste Marido cabem à Lei Maria da Penha também ?????

    1. Oi Leni. Tudo bem?
      Pelo Código Penal Brasileiro, a pena para a mulher que agride fisicamente seu parceiro é a mesma prevista para o homem agressor (artigo 129, §9º do CPB).
      Normalmente é mais divulgada a agressão que a mulher sofre, porque é o tipo de agressão que mais acontece e porque até mesmo pela estrutura corporal, a força do homem tende a ser maior do que a das mulheres, o que nos coloca em uma relação de vulnerabilidade, em caso de briga que envolva a força física.
      Mas claro, que em agressões verbais a força de ambos é igual e as mulheres podem causar tanto mal quanto os homens.

  2. Estou realmente impressionada com a clareza com que este artigo foi feito, estão de parabéns todos os envolvidos

    1. Boa tarde Talita,
      Obrigada pelo comentário, ficamos felizes que você gostou. =D Seja sempre bem-vinda em nosso blog.

  3. Agradeço a partilha. Hoje vejo o quão manipulado fui. Entrei em um relacionamento aos 15 anos (virgem), com uma namorada de 20 que já tinha um filho de 5 anos. Depois de me conquistar ela foi me afastando aos poucos da minha família dizendo que todas as nossas brigas aconteciam porque minha família estava próxima. Depois me ameaçava dizendo que iria “mostrar para todos” quem eu era, sendo que não havia feito nada de errado, apenas criava situações de factos distorcidos e me fazia sentir culpado. De tanto ouvir na mídia que o homem é sempre o agressor e a mulher vítima, comecei a me sentir mesmo, muito culpado. Então tive a idéia de gravar nossas discussões e ver se eu estava fazendo/falando o que ela me culpava, daí pude ver o quanto ela distorcia, legendei um dos áudios e enviei para ela. Quando se viu confrontada com o facto, ameaçou ir embora e me processar por tê-la gravado já que, segundo ela, eu “estava invadindo a privacidade”. Tenho vivido um inferno, pois a tenho confrontado nas suas sucessivas mentiras – mesmo quando ambos estamos sozinhos e sabemos da verdade. Então ela se isola de mim e faz questão de demonstrar para as pessoas mais próximas que não está bem.
    Enquanto vivíamos no Brasil, ela (infelizmente) usava da Lei Maria da Penha para me ameaçar, ela dizia: “basta eu dizer que você me agride e sua vida acaba”. Aqui na Europa é diferente, quando ela ameaçou chamar a polícia, eu disse “chama”. E ela chamou. Quando os policiais chegaram perceberam a situação (eu havia gravado) e viram que ela estava “apenas” querendo que eu lavasse a loiça.
    Enfim, um desabafo, mas tenho lutado por mim e por ela, só não sei até quando suporto, pois temos 2 filhos hoje.

    1. Boa tarde Raphael,
      Sentimos muito que esteja passando por essa situação, mas considere buscar terapia. O psicólogo está treinado em manter um diálogo sem julgamentos, em um ambiente de escuta, podendo te ajudar a lidar com essa situação da melhor forma possível.

  4. Fui vítima de um manipulador digamos oportunista. Um super manipulador que me conduziu a fazer as coisas nos negócios praticamente tudo do jeito dele. Eu era empresária de sucesso e ele nos 4.5 anos de relacionamento conseguiu mudar todos os planos de investimentos e negócios que eu tinha pela minha empresa. A história é muito longa para eu contar aqui. Hoje após 6 anos que estou separada dele ainda sofro e muito todas as consequências dos prejuízos financeiros e profissionais que toda essa história me causou. Perdi minha empresa e ainda estou lutando para salvar um único bem que me restou. Ainda enfrentando processo dele tentando arrancar o que puder de mim. Usou de mentiras no processo, colocou outro processo de trabalho completamente descabido contra mim e eu como fui a falência não tive dinheiro e nem capacidade psicológica para fazer as defesas corretamente. Pergunto Dra se podes me ajudar me informando se cabe eu entrar com processo de danos contra ele ainda e qual seria o o tipo de processo que eu poderia abrir. Porque estou inconformada.
    Aproveito para dizer que seu artigo é exelente. E no meu caso me ajuda a reforçar ainda mais minha necessidade de ser forte e não mais ser vítima de pessoas oportunistas.
    Que minha história resumida, possa servir de exemplo para quem a ler.
    Parabéns pelo seu trabalho!

    1. Olá, Sandra.
      Sentimos muito por tudo isso. Mas considere buscar terapia, pode te ajudar a entender e a lidar com toda essa situação. E que bom que gostou do artigo e que pudemos te ajudar ficamos felizes.

  5. Amei o artigo. Vai ajudar muitas pessoas a perceberem sua situação e a tirarem a manipulação da discrição e trazerem-na à tona.

    1. Olá, Josélma.
      Que bom que amou o artigo e que acredita que nosso texto possa ajudar as outras pessoas, ficamos contentes.

  6. O chantagista costuma se isolar e não querer conversar com ninguém?ficar triste na maior parte do tempo?ficar repetindo constantemente que tem medo de te perder? Ao mesmo tempo é um amor de pessoa,te trata super bem até demais,mas dá uma risadinha sem graça,estou conversando com alguém assim,já tô cansada disso,essa semana coloquei um fim nisso,gosto da pessoa,mas sinceramente não entendo esse comportamento dele Tenho medo de voltar e continuar do mesmo jeito. Poderia me dar um parecer sobre isso?Desde já agradeço!

    1. Poxa Lenilda.
      Infelizmente não conseguimos te dar uma resposta só com essas informações. Mas independente de ele ser ou não chantagista, o que você precisa se perguntar é se conviver com esse comportamento te traria sempre sofrimento ou se seria possível aprender a lidar. Na dúvida, uma psicóloga pode te ajudar a entender seus sentimentos.

  7. Pesquisei sobre esse assunto pois meu ex está vivendo um relacionalento complicado com uma mulher que nâo queria terminar com ele para que eu e ele possamos voltar e pra piorar ela está grávida de uns 3 meses. Ele queria terminar e ela insitia em não ir embora da casa dele, dizia que ia se matar e tudo. Agora que descobriu a gravidez é que piorou, pq agora ela diz que se ele terminar e voltar comigo, ela vai sumir com o filho ou se matar. Ele está super mal sem saber o q fazer, pois quer conhecer o filho e participar da vida dele, principalmente pq foi abandonado criança pelo pai, hj em dia eles convivem, mas vejo que ficaram traumas por conta disso e pra ele ser pai é mto importante tb O que ele deve fazer? Ceder e permanecer com ela pra que ela não faça nada que prejudique a gravidez ou deixar claro que só irá assumir essa criança, mas mostrar q relacionamento entre eles realmente acabou? Penso que nesse momento teremos q realmente adiar a nosaa reconciliação até pq desconfiamos até que ela é abusiva a ponto de fazer algo ruim com um de nós por ciumes, mas me pergunto mto até q ponto ele deve ceder já que tem um bebê no meio agora (ele chegou a terminar,mas logo em seguida veio essa notícia e ele teve q voltar atrás, se fosse só ela, ele não iria ceder).
    O pior é q o a mais queríamos era voltar… complicado, estamos sofrendo com tudo isso que está acontecendo. Ah e detalhe, ela tirou o anticoncepcional escondido (claro q a culpa é dele tb, mas fazer isso mostra o quão tóxica ela é) e foi atrás de amarração pra segura-lo tb, fora várias atirudes extremamente tóxicas que ela vem tendo, que todos ao redor deles estão se queixando. Sendo assim, ele ainda sim deve ceder?! Como lidar com esse tipo de pessoa?

    1. Olá! Imagino que estar no meio de toda essa situação deve ser bem exaustivo e angustiante. Mas, infelizmente, não existe uma resposta certa para a sua pergunta. Principalmente, sem entender quais são as motivações dele para se manter no outro relacionamento, sem conhecer a história de vida e saber quais são as inseguranças que o paralisam.
      Tentar ter controle sobre o que só ele pode decidir irá aumentar, cada vez mais, o seu estresse e sofrimento.
      Busque cuidar apenas do que você pode controlar e decidir — que, nesse caso, tende a ser um cuidado com a sua saúde mental.
      Você só tem controle quanto a aceitar ficar nesse relacionamento ou não.
      Um psicólogo pode ajudá-los a lidar com essa situação.
      Considere fazer terapia, quem sabe ele se inspira e também faz.

  8. A leitura foi muito interessante, estou em um relacionamento há duas semanas sou um homem, a minha namorada ela sempre me critica dizendo que se eu não fazer isso o relacionamento vai terminar, e reclama muito quando assunto é dinheiro, valoriza mais o dinheiro do que a relação,fala coisas banais eu nunca critiquei ela mais ela vive todo momento me criticando, eu prefiro terminar o relacionamento do que ser manipulado, ela quer que eu escute mais ela do que ela a mim, eu me valorizo e muito o amor não machuca.

  9. Adorei esse texto!
    Sou psicóloga e me deu uma “luz” sobre como ajudar alguns pacientes que chegam ao consultório com essa demanda de forma “psicoeducativa”.

    1. Oi Priscylla!
      Que bom saber que o texto foi útil para você!
      Fico, realmente, muito grata por seu comentário.
      Seja sempre bem-vinda aqui no blog!

    1. Agradeço seu comentário, Maria!
      O propósito dos textos é exatamente este: trazer informações que possam ser úteis para aqueles que chegam aqui no blog.
      Muito importante sabermos quando, de algum modo, conseguimos nos aproximar desse objetivo.
      Cuide-se bem!

  10. Excelente artigo, descreveu a minha relacao, e minha situaçao emocional.

    Luto contra esse sentimento q me aprisiona…

    Sou manipulado, chantageado e como cereja escuto q sou amado por isso ela deve ser a prioridade na minha vida.
    No entando se tento ser firme ela me da as costas me bloqueia em tudo, o q me leva a uma obcessao e acabo indo atras.

    Quero terminar nao consigo, mas estou a 55 dias sem contato pessoalmente.

    O q faz com q ela me humilhe muito quando tenho recaidas e mando msg…

    Mas estou lutando contra isso

    1. É preciso muita força para se manter longe da chantagem emocional. E, às vezes, fica difícil fazermos isso sozinhos. Principalmente porque é comum despertar sentimentos de incapacidade, inferioridade, desvalorização, entre outros.
      Esses sentimentos nos cegam e nos fazem acreditar que não existe possibilidade de futuro melhor com outra pessoa ou em outro lugar.
      Um psicólogo poderia ajudá-lo a melhorar a sua autoestima para você conseguir perceber que merece ser amado e tratado bem e que você estará se amando o suficiente para não permitir que ninguém faça isso com você.

  11. Um tema muito importante e foi bem esclarecido. Parabéns e obrigada por ter liberado essa matéria, de maneira que possa servir de alerta e pra outros em questão de dúvidas, curiosidades ou aprendizado.

    1. Obrigada por seu feedback, Rossana!
      É muito importante, para nós, conhecermos a opinião de quem chega ao nosso blog.
      Abraços!

  12. A leitura foi bastante interessante e esclarecedora para mim.
    Sou homem, o meu relacionamento está péssimo.
    Percebi exatamente uma coisa, minha esposa vive me colocando como o manipulador, que a chantageio psicologicamente mas, depois dessa leitura vi que na minha relação sou uma potencial vítima. Eu só estou cedendo. Minha mulher consegue deturpar os acontecimentos e eu acabo me sentindo culpado. Tornando sempre a vontade dela soberana em relação a minha.

    1. Que bom que conseguimos ajudar a ver um ciclo negativo que se repete na relação. Agora, o próximo passo é encontrar meios de quebrar o ciclo e dar uma solução mais saudável. Se tiver dificuldade, procure a ajuda de um(a) psicólogo(a). O caminho costuma ser menos sofrido.

    1. Oi Natalia!
      Que bom saber que a leitura te agradou!
      Muito obrigada por compartilhar sua opinião.
      Espero que possa encontrar outros textos que te agradem por aqui.
      E, se quiser deixar alguma sugestão de assunto, por favor, fique à vontade!
      Abraços!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clínica de Psicologia Nodari

Nosso blog tem como objetivo trazer textos dicas, ferramentas, informações, enfim, conteúdos que acreditamos que possam ajudar as pessoas a melhorar o seu bem-estar e qualidade de vida. Além de refletir a importância da psicoeducação no processo terapêutico.

Oferecemos atendimentos psicológicos em:

  • Psicoterapia - Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) e
  • Avaliações Neuropsicológicas.
  • Outros Posts

    plugins premium WordPress